Mais de mil casos de abuso sexual na diocese de Boston

Sacerdotes e outros membros da arquidiocese de Boston teriam abusado sexualmente de mais de 1.000 pessoas nas últimas seis décadas, disse o procurador de Massachusetts, indicando que o escândalo é tão grande que "beira o incrível". Em um informe de 91 páginas, resultado de uma investigação que tentou determinar se a hierarquia católica deve ser processada por ter ignorado as denúncias de abuso, o procurador Tom Reilly diz que a arquidiocese recebeu queixas de 789 supostas vítimas, que acusaram mais de 250 sacerdotes e funcionários da Igreja. No entanto, à medida que se analisam outras fontes, afirmou Reilly, é possível que tenham existido mais de 1.000 vítimas desde 1940 até agora. O cardeal Bernard Law, que renunciou como arcebispo em dezembro passado, "é o principal responsável pelo trágico tratamento sofrido por menores durante o tempo em que exerceu o cargo", disse Reilly. "Mas ele não é o único responsável. Com raras exceções, nenhum dos principais administradores" da arquidiocese "lhe aconselhou a adotar os passos necessários para pôr fim a esse sistemático abuso de menores." Apesar das conclusões de Reilly sobre o que classificou de "uma aceitação institucional dos abusos", nenhuma acusação foi formulada porque as leis de proteção à infância vigentes durante a época em que os abusos foram cometidos não o permitem. Um porta-voz da diocese não respondeu inicialmente uma chamada telefônica da Associated Press para comentar o assunto. O substituto de Law, o bispo Sean Patrick O´Malley, assumirá o cargo na próxima semana.

Agencia Estado,

23 Julho 2003 | 16h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.