Mais de mil civis já morreram nos confrontos na Síria, dizem ativistas

Maior parte das vítimas está no sul do país, onde começaram os protestos contra o presidente Assad

Reuters

24 de maio de 2011 | 13h03

AMÃ - Tropas militares e forças de segurança sírias mataram ao menos 1.100 civis em sua campanha de dois meses para reprimir as manifestações pró-democracia, informou nesta terça-feira, 24, a organização defensora dos direitos humanos Sawasiah.

 

Veja também:

blog GUSTAVO CHACRA: Levantes não seguem linha sectária

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

mais imagens Galeria de fotos: Veja imagens dos protestos na região

 

A Sawasiah disse ter os nomes das 1.100 pessoas que foram mortas, a maioria na região de Hauran Plain, no sul do país, onde a revolta começou em 18 de março. O número de mortos aumentou rapidamente depois que os protestos nas ruas se ampliaram e se espalharam a partir do sul, provocando a repressão das forças militares, disse a Sawasiah.

A organização, fundada pelo advogado de direitos humanos Mohannad al-Hassani, atualmente preso, disse ter informações de outros 200 civis mortos, mas afirmou que não tinha seus nomes.

Autoridades sírias culparam "grupos sabotadores armados", que têm apoio de islamitas e forças externas, e que, segundo eles, já mataram mais de 120 soldados e policiais. Segundo os defensores de direitos humanos, alguns soldados levaram tiros de agentes de segurança por se recusarem a disparar contra civis.

A Síria barrou a maior parte da mídia internacional desde que os protestos começaram há dois meses, tornando difícil confirmar as informações sobre a violência.

 

Leia ainda:

linkSuíça congela bens de Assad no país

linkCivis mortos na Síria já passam dos mil, dizem ativistas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.