Mais de mil jornalistas foram assassinados na última década

Mais de mil jornalistas e membros deequipes de apoio à imprensa perderam a vida ao redor do mundo noexercício da profissão nos últimos dez anos, informou nestaquarta-feira a Federação Internacional de Jornalistas, àsvésperas do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa.O grupo, com sede em Bruxelas, que planeja publicar, no mêsque vem, um levantamento dos assassinatos durante seu congressona Coréia do Sul, diz que as evidências da violência contra osjornalistas às vezes não vêm à tona até que se passem meses ouanos do crime.A entidade pediu mais pressão sobre os governos para que osresponsáveis pela violência contra jornalistas sejam processadose punidos com mais rigor."Nossa tolerância é zero quando o assunto é a violênciacontra a liberdade de expressão", informou a FederaçãoInternacional de Jornalistas em um comunicado para marcar,amanhã, o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, estabelecidopela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1991.Além da violência, o grupo citou a censura da imprensaindependente e a crescente concentração dos grupos de mídia comouma ameaça à liberdade de imprensa."O futuro da democracia e do jornalismo está na balançaquando as organizações de imprensa perdem o senso de compromissocom o público e seguem uma agenda baseada exclusivamente naexploração comercial da informação", diz o comunicado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.