Olivia Harris/Reuters
Olivia Harris/Reuters

Mais entidades cortam anúncios em tabloide acusado de grampos

Legião Real Britânica e a J Sainsbury juntaram-se e outras empresas contra o 'News of the World'

AE, Agência Estado

07 de julho de 2011 | 10h03

LONDRES - A Legião Real Britânica, a NPower e a J Sainsbury juntaram-se nesta quinta-feira, 7, à crescente lista de empresas e entidades que cortaram seus vínculos com o tabloide News of the World, que faz parte da News Corp. O jornal é acusado de grampear telefones de várias pessoas, incluindo o de uma adolescente assassinada.

A Legião Real Britânica fornece auxílio a militares da ativa e reformados no Reino Unido. A entidade afirmou, em comunicado, que deixou de anunciar no News of the World, pois famílias de militares mortos "expressaram repulsa pelas últimas revelações de grampos de telefone". A Legião citou a denúncia de que parentes que perderam soldados no Iraque e no Afeganistão podem ter tido seus telefones grampeados por um investigador privado trabalhando para o tabloide. O valor dos contratos não foi informado.

 

A BBC informou no final do dia de ontem que celulares de parentes de soldados britânicos mortos no Iraque e no Afeganistão teriam sido grampeados pelo jornal, citando como fonte o Daily Telegraph, que publicou hoje a denúncia. Outros jornais, como o Daily Mail, também divulgaram as acusações.

 

Uma porta-voz da News International, a divisão britânica da News Corp., afirmou em comunicado no final da quarta que, se as últimas acusações forem verdadeiras, "nós estamos absolutamente horrorizados e chocados". Segundo a porta-voz, a empresa entrará em contato com os militares para esclarecer o caso. Uma porta-voz da companhia de suprimento de eletricidade e gás Npower informou que a empresa suspendeu seus anúncios no News of the World. A companhia aguardará os desdobramentos do caso para decidir se manterá ou cancelará o contrato. A Sainsbury, terceira maior cadeia de supermercados britânica, também anunciou a suspensão de sua publicidade no diário.

 

Na quarta-feira, Mitsubishi Motors, Co-operative, Lloyds e General Motors uniram-se à Ford e cancelaram seus anúncios. As companhias disseram que a decisão se aplica apenas ao tabloide, não a outros títulos da News International, que também edita os jornais The Times, The Sunday Times e The Sun. A News Corp é a dona da agência Dow Jones e do jornal The Wall Street Journal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.