Mais seguro, Haiti vai às urnas

Os haitianos vão às urnas neste domingo para o primeiro turno da eleição que escolherá 12 dos 30 senadores, cumprindo o calendário eleitoral que prevê a renovação de um terço do Senado a cada dois anos. Mas, desta vez, as eleições estão atrasadas e, além das vagas previstas na lei, mais duas foram abertas por causa da morte de um senador e o afastamento de outro, por ter dupla nacionalidade.

DAMARIS GIULIANA, Agencia Estado

18 de abril de 2009 | 11h54

O clima, às vésperas da eleição, é de tranquilidade. A sensação de segurança aumentou na capital haitiana em quase cinco anos da Missão as Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (Minustah). Em muitos lugares, nem os militares usam capacetes e coletes à prova de balas. Os índices totais de criminalidade, registrados pela Polícia da ONU (Unpol), porém, apontam aumento da violência. Já na capital, demonstram queda apenas nos homicídios.

Essa, porém, não é a avaliação do coronel Gerson Gomes, porta-voz do batalhão brasileiro de Força de Paz. "Muitos casos, talvez a maioria, não foram notificados (nos anos anteriores), pois ainda não havia o controle legal de certas áreas de Porto Príncipe. Muitas instituições não funcionavam a contento, incluindo a própria Polícia Nacional do Haiti (PNH), que começou a ser reestruturada desde então", disse o coronel.

A consolidação da PNH, ao menos em números, deve acontecer até 2011, quando atingirá um quadro de 14 mil homens. A qualidade do serviço que conseguirão realizar, entretanto, é uma questão que nenhum membro da Unpol responde.

Tudo o que sabemos sobre:
Haitieleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.