Mais soldados morrem na ocupação do Iraque que na guerra

Mais dois soldados americanos morreram nesta terça-feira no Iraque, fazendo com que o número de militares dos EUA mortos no pós-guerra superasse o número dos mortos nos combates durante a invasão do país. O número de mortos no período da ocupação, a partir de 1º de maio, chegou a 140. Um dos soldados morreu quando o comboio em que viajava foi atacado com uma bomba num subúrbio de Bagdá. Dois outros soldados ficaram feridos na explosão. O segundo soldado morreu num acidente de trânsito. Quando o presidente George W. Bush declarou em 1º de maio o fim da fase principal de combates, o número de mortos americanos era de 138.Também nesta terça-feira, forças dos Estados Unidos lançaram uma grande operação envolvendo centenas, talvez milhares, de soldados na busca de bandoleiros e partidários de Saddam Hussein. Pelo menos 24 suspeitos foram capturados. Centenas de tropas, apoiadas por helicópteros, tanques e veículos de combate perseguiram o criminoso condenado Lateef Hamed al Kubaishat. Lateef conseguiu escapar, mas sete de seus comparsas foram presos e uma grande quantidade de armas, apreendida, segundo o coronel David Hogg. A gangue de Lateef assumiu responsabilidade por uma atentado a bomba na frente do quartel-general da polícia perto de Baqouba em 10 de agosto, que matou um policial americano. Lateef também é acusado de vender armas, incendiar o tribunal de Baqouba para destruir arquivos de criminosos e assassinar uma prostituta que foi acusada de atender tropas dos EUA na região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.