Mais três soldados americanos são mortos no Iraque

Insurgentes iraquianos mataram três soldados americanos em ataques com bombas em estradas, e ex-oficiais do serviço de inteligência de Saddam Hussein, exigindo emprego, enfrentaram com pedras as forças dos EUA que guardavam o quartel-general de ocupação em Bagdá. Houve uma explosão dentro do complexo do Ministério do Interior, no antigo Palácio Republicano de Saddam Hussein. Ninguém ficou ferido. Testemunhas disseram que um morteiro, ou uma granada propelida por foguete, foi disparado contra a chancelaria, mas acabou caindo no estacionamento.Do outro lado da cidade, soldados dos EUA enfrentaram manifestantes muçulmanos xiitas depois de terem fechado uma mesquita e supostamente prendido o imã. Depois de horas de tensão, tropas americanas lançaram granadas de efeito moral e fizeram disparos para o ar, numa tentativa de dispersar a multidão, que crescia a cada hora.Paul Bremer, o administrador americano do Iraque, garantiu que os incidentes não significam que a situação esteja se deteriorando. "A situação certamente não está piorando, isso não faz sentido", disse ele em Hillah, 70 km ao sul de Bagdá, onde participava de uma conferência sobre a mulher. "Quando cheguei a Bagdá em maio, ela era uma cidade em chamas, não havia eletricidade, escolas, hospitais e universidades estavam fechados", lembrou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.