Mais um ministro japonês confessa suposto erro contábil

Segundo o ministro, "a pessoa responsável pelos relatórios se confundiu".

EFE

08 de setembro de 2007 | 03h16

O ministro de Assuntos Internos do Japão, Hiroya Massouda, responsável pela supervisão das declarações de bens e rendimentos dos políticos e dos partidos, admitiu neste sábado que deixou de declarar ao Estado US$ 8.600 em 2003, devido a um erro contábil. Segundo a agência "Kyodo", o ministro omitiu uma doação de ¥ 1 milhão (US$ 8.600) ao seu órgão de gestão de fundos políticos. A doação foi feita em 2003, quando ele era governador da província de Iwate, ao norte de Tóquio. "Foi uma doação feita por mim mesmo, como cidadão", disse o ministro. Massouda passou a ocupar o cargo na reforma ministerial promovida pelo primeiro-ministro, Shinzo Abe, em 27 de agosto. Com as mudanças, o chefe de Governo Abe pretendia limpar a imagem de seu Gabinete, afetado por vários escândalos desde a sua chegada ao poder, há quase um ano. "Achamos que o dinheiro estava destinado a cobrir as despesas eleitorais e fizemos um recibo no nome de um grupo de apoio. Na verdade, ele deveria ter sido emitido no nome de Massouda. Gostaríamos de corrigir o erro imediatamente", disse à "Kyodo" um antigo membro do órgão de gestão de fundos do ministro. Segundo o ministro, "a pessoa responsável pelos relatórios se confundiu". É o segundo caso de suposto erro na declaração de fundos dos ministros do novo Executivo de Abe. Uma organização do ministro do Meio Ambiente, Ichiro Kamoshita, deu um recibo de US$ 69.500 a mais do que recebeu do político.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãoerro contábil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.