Mais um partido da oposição anuncia boicote a eleições no Sudão

Medida afeta credibilidade de primeiras eleições multipartidárias no país em 24 anos

07 de abril de 2010 | 19h39

Reuters

 

CARTUM- O partido Umma, um dos principais do Sudão, afirmou nesta quarta-feira, 7, que irá boicotar as próximas eleições presidenciais, regionais e legislativas que ocorrerão no país na semana que vem, questionando sua credibilidade.

 

Veja também:

linkPrincipal partido do sul do Sudão irá boicotar eleições no norte do país

linkBan recomenda que forças da ONU no Sudão fiquem mais 1 ano no país  

 

O presidente Omar Hassan al-Brashir esperava ganhar o pleito de 11 de abril em desafio a uma ordem de prisão da Corte Criminal Internacional contra ele.

 

O boicote do Umma, e o do principal partido do sul do país, anunciado um dia antes, irá afetar a credibilidade das primeiras eleições multipartidárias sudanesas em 24 anos.

 

"O bureau político decidiu boicotar as próximas eleições em todos os níveis", disse a jornalistas Sara Nugdullah, representante oficial do partido.

 

A sigla impôs oito condições para participar do pleito, entre elas um adiamento de um mês na data das votações, e financiamento governamental para partidos políticos.

 

Sarah afirmou que o líder do Umma, Sadeq al-Mahdi, foi autorizado a "tomar parte nos interesses nacionais", mas três oficiais do partido negaram que isso afetaria a decisão de boicotar as eleições.

 

Duas fontes do bloco disseram que Mahdi pode considerar tomar uma posição semelhante ao do ex-rebelde do sul Movimento pela Liberação do Povo do Sudão (SPLM), que na terça anunciou um boicote no norte, exceto nos estados central Blue Nile e no de Kordofan, no sul.

 

Mahdi foi o último líder eleito democraticamente no Sudão em 1986 e foi um dos principais adversários de Bashir nas eleições presidenciais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.