Mais vítimas de terremoto são localizadas no Himalaia

Helicópteros militares levaram equipes de resgate nesta terça-feira a uma remota região do Himalaia para participarem das buscas a sobreviventes do terremoto de domingo, que matou dezenas de pessoas na Índia, no Nepal e na China.

BISWAJYOTI DAS, REUTERS

20 Setembro 2011 | 09h19

A maior parte das vítimas morava perto do epicentro do terremoto, de magnitude 6,9, que sacudiu rochas e derrubou casas no despovoado Estado indiano de Sikkim, muito procurado por excursionistas por causa dos seus mosteiros budistas e paisagens espetaculares.

Deslizamentos, chuva e neblina dificultaram os trabalhos de resgate pelo segundo dia consecutivo, e os acessos às regiões montanhosas mais afetadas ficaram bloqueados por pedras e lama. Mas uma trégua na chuva permitiu que helicópteros do Exército levassem equipes de resgate até a pequena cidade de Mangan, que fica perto do epicentro e é cercada por montanhas nevadas.

Centenas de casas desabaram na região do Himalaia, e moradores tiveram de escavar os escombros com as próprias mãos para procurar desaparecidos. Soldados encontraram mais cinco corpos na terça-feira em Sikkim.

O terremoto matou pelo menos 82 pessoas. O governo indiano confirmou 50 mortes em Sikkim e 18 em outros Estados. Houve também pelo menos sete mortos no Nepal e sete na região do Tibete, na China.

Mais conteúdo sobre:
INDIA HIMALAIA TERREMOTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.