Malásia aceita explicações do papa

O primeiro-ministro da Malásia, Abdullah Badawi, considerou aceitável o esclarecimento do papa Bento XVI sobre a passagem envolvendo o Islã, citada num discurso na Alemanha, e afirmou que espera não voltar a ouvir palavras que possam ofender acomunidade muçulmana, informou nesta terça-feira a agência oficial "Bernama". "Penso que podemos aceitar a sua explicação e esperamos que não surjam mais declarações irritantes para os muçulmanos", disse ogovernante malaio, cujo país preside a Organização da Conferência Islâmica (OCI). Abdullah Badawi se encontra em Nova York, para participar da Assembléia Geral da ONU. No domingo, em Havana, o seu ministro de Relações Exteriores, Syed Hamid Albar, havia chamado de "inadequada"a explicação do pontífice, exigindo um pedido de desculpas e uma retratação. Bento XVI manifestou no domingo preocupação por, segundo ele, suas palavras terem sido mal interpretadas e garantiu que não faltou com orespeito à fé islâmica. No discurso de 12 de setembro, em Regensburg, Alemanha, o papa citou um diálogo do século XIV entre o imperador bizantino Manuel IIPaleólogo e um erudito persa, no qual há palavras consideradas ofensivas a Maomé. O imperador pede a seu interlocutor que lhe mostre algo que o mundo devesse a Maomé e responde, ele mesmo, que só encontraria coisas "más e desumanas, como sua ordem de divulgar, usando a espada, a féque pregava". O novo secretário de Estado do Vaticano, Tarcisio Bertone, esclareceu que o pontífice recorreu à passagem como "uma oportunidade para desenvolver, num contexto acadêmico", algumas reflexões para concluir "com uma clara e radical rejeição àmotivação religiosa da violência, venha de onde vier".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.