Malásia critica medidas de segurança dos EUA

O primeiro-ministro da Malásia, Mahathir Mohamad, criticou hoje as duras medidas de segurança impostas às pessoas que visitam os Estados Unidos. Segundo ele, a nova política adotada pela imigração americana, exigindo que os visitantes sejam fotografados e deixem impressões digitais antes de entrar no país, é um reflexo da "histeria antiislâmica". "Claro que estou chateado", disse ele. ?Devido aos atos de poucas pessoas, todo o mundo muçulmano parece estar rotulado, já que devemos agora ser checados para que tenham certeza de que não somos terroristas."Mesmo antes de a nova lei entrar em vigor, o vice de Mahathir, Ahmad Abdulah Badawi, teve uma amostra do pesado ambiente americano quando viajou aos Estados Unidos, há duas semanas, para participar da Assembléia Geral da ONU. Na época, Abdullah Badawi foi revistado no Aeroporto Internacional de Los Angeles, seu ponto de entrada no país, e obrigado a retirar cinto e sapatos antes de voar para Nova York. "Todos nós tivemos que passar pelo mesmo sistema de segurança, até mesmo o piloto", afirmou Abdullah, segundo o jornal malaio A Estrela. "Não fui uma exceção e concordei em tirar meus sapatos."Embora o vice-premier tenha tentado minimizar o ocorrido, o Partido Ação Democrática, de oposição, classificou o incidente como "desrespeitoso" e exigiu desculpas públicas por parte de Washington. As novas regras americanas de imigração, que têm como alvo pessoas provenientes da maioria dos países islâmicos e do Oriente Médio, entraram em vigor hoje e dão poder aos funcionários de imigração para fotografar e tomar as impressões digitais de visitantes em pontos de entrada no país. Os mais visados são os cidadãos do Irã, Iraque, Líbia, Síria e Sudão, mas visitantes da Malásia, país de maioria muçulmana, também estão sujeitos às novas regras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.