Malásia detém cidadãos de Mianmar após conflitos

A polícia da Malásia disse nesta quinta-feira que deteve mais de 900 cidadãos de Mianmar em uma investigação feita depois que pelo menos duas pessoas foram mortas na semana passada em confrontos supostamente ligados à violência sectária em Mianmar.

AE, Agência Estado

06 de junho de 2013 | 02h52

As duas vítimas deveriam ser budistas de Mianmar e foram mortas durante uma série de incidentes violentos em Kuala Lumpur desde 30 de maio, disse Amar Singh Ishar Singh, chefe de polícia da capital da Malásia.

Ele acrescentou que outras duas pessoas estavam em estado grave e os ataques foram "supostamente, resultado da violência em Mianmar". A autoridade não deu mais detalhes sobre os ataques.

Conflitos sectários entre a maioria budista de Mianmar e a minoria muçulmana da etnia Rohingya piorou desde o ano passado no estado de Rakhine.

A Malásia, de maioria muçulmana, alega que abriga mais de 80 mil cidadãos de Mianmar.

Amar disse que mais de 250 dos detidos na Malásia foram entregues às autoridades de imigração, uma vez que eles não tinham a devida documentação. As outras pessoas foram liberadas e nenhuma prisão formal foi feita ainda uma vez que as investigações continuam, disse. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
malásiamianmarviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.