Shizuo Kambayashi/AP
Shizuo Kambayashi/AP

Ministro da Malásia diz que Kim Jong-nam morreu 20 minutos após envenenamento

Meio irmão do ditador norte-coreano Kim Jong-un morreu no dia 13 de fevereiro no Aeroporto de Kuala Lumpur

O Estado de S.Paulo

26 Fevereiro 2017 | 08h42

KUALA LUMPUR - O ministro da Saúde da Malásia disse neste domingo, 26, que a dose do agente nervoso VX dada ao meio irmão do ditador norte-coreano Kim Jong-un foi tão alta que causou a dele morte em "cerca de 15 a 20 minutos".

Kim Jong-nam morreu no dia 13 de fevereiro no Aeroporto de Kuala Lumpur no que a polícia da Malásia descreveu como um ataque bem planejado. Duas mulheres teriam espalhado um líquido no rosto de Kim. A polícia revelou na sexta-feira que o agente químico proibido VX foi usado para matá-lo.

O ministro da Saúde, Subramaniam Sathasivam, afirmou que a dose foi tão alta que Kim apresentou sintomas em poucos minutos. Ele desmaiou na clínica do aeroporto e morreu em seguida, enquanto ia para o hospital numa ambulância. Médicos suspeitaram desde o começo de que ele havia recebido uma forma de agente químico tóxico em razão da rápida evolução dos sintomas.

"Apenas 10 miligramas de VX precisam ser absorvidas pelo corpo para que seja letal, portanto presumo que a dose administrada foi maior do que isso", afirmou Subramaniam em coletiva de imprensa. "A dose foi tão alta e se espalhou tão rapidamente pelo corpo que pode ter afetado o coração dele, os pulmões, tudo".

Especialistas afirmam que o agente nervoso VX usado para matar Kim foi certamente produzido em um sofisticado laboratório. Ele é banido por meio de tratados internacionais, mas a Coreia do Norte nuca assinou o tratado e passou décadas desenvolvendo um complexo programa de armas químicas.

O ministro malaio afirmou ainda que o departamento químico estatal encontrou a toxina VX, confirmando o resultado da autópsia de Kim que sugeriu o uso de um agente químico que causou séria paralisia.

Segundo Subramaniam, não há relatos de que mais pessoas tenham adoecido pela toxina, mas ele afirmou que trabalhadores médicos que atenderam Kim vão ficar sob observação em razão do risco de efeitos tardios.

Dezenas de milhares de passageiros passaram pelo aeroporto desde que o assassinato ocorreu. Nenhuma área foi isolada e medidas preventivas não foram tomadas. Mais cedo, dezenas de oficiais fizeram uma varredura no aeroporto e disseram que encontraram traços de VX. Após duas horas de atuação das equipes no aeroporto, a polícia declarou que o local já estava livre de contaminação

A Malásia não acusou diretamente o governo da Coreia do Norte de estar envolvida no ataque, mas autoridades disseram que quatro homens norte-coreanos entregaram o veneno para duas mulheres. Os homens fugiram da Malásia no mesmo dia, enquanto as mulheres - uma da Indonésia e outra do Vietnã - foram presas.

A polícia diz que a mulher da Indonésia, Siti Aisyah, vomitou num táxi ao sair do aeroporto, mas que agora ela está bem de saúde. Testes serão feitos para determinar se as duas suspeitas presas receberam antídotos para que o agente nervoso não as matasse.

No sábado, representantes das embaixadas da Indonésia e do Vietnã se encontraram com as duas mulheres. Ambas afirmam que pensavam estar participando de um programa de televisão, de uma "pegadinha". A polícia diz que elas sabiam o que estavam fazendo. /ASSOCIATED PRESS

Mais conteúdo sobre:
Malásia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.