Malásia e Holanda discutem acesso a Ucrânia

O primeiro-ministro da Malásia Najib Razak vai viajar à Holanda na quarta-feira para discutir a queda do avião MH17 da Malaysia Airlines com o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte.

Agência Estado

26 Julho 2014 | 09h01

Najib disse em um comunicado neste sábado que ele e Rutte vão discutir a garantia de acesso total ao local onde caiu o avião na Ucrânia. Ele afirmou ainda que os dois vão determinar se profissionais malaios podem ajudar a agilizar o processo de identificação das vítimas.

Havia 193 holandeses e 43 malaios no avião quando ele foi derrubado no leste da Ucrânia em 17 de julho enquanto voava de Amsterdam a Kuala Lumpur. Todos a bordo morreram. A aeronave caiu em um território controlado por rebeldes pró-Rússia, os quais têm sido acusados por grande parte da comunidade internacional de terem disparado um míssil contra o avião.

Najib costurou um acordo com o líder rebelde do leste da Ucrânia, Alexander Borodai, na segunda-feira para assegurar o acesso a caixa-preta do avião e aos restos mortais das vítimas.

"Minha prioridade agora é garantir que a terceira parte do acordo seja honrada, e que os investigadores internacionais tenham acesso total e seguro ao local", disse o premiê malaio em nota. "Isso vai exigir a cooperação daqueles em controle da região e das forças armadas ucranianas", completou.

Um time de três investigadores malaios visitou o local onde caiu o avião três vezes até agora, de acordo com o comunicado. Eles foram acompanhados por três investigadores holandeses e por outro da Organização da Aviação Civil Internacional. O grupo conseguiu observar o local e tirar fotos. "Entretanto, não conseguiram visitar todo o espaço, dado seu grande tamanho", disse o comunicado.

O time malaio acredita que pelo menos mais 30 investigadores serão necessários para visitar toda a região. "Infelizmente, eventos em terra, incluindo os atuais conflitos entre forças ucranianas e separatistas, impedem que um contingente tão grande de investigadores esteja presente", concluiu o primeiro-ministro da Malásia. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Ucrânia avião Malásia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.