Malásia estuda castigo físico para combater a prostituição

Legisladores malaios debatem no Parlamento a aprovação de severas penas contra a prostituição, incluindo o castigo com o chicote, com a finalidade de combater a crescente indústria sexual, informou nesta quarta-feira a imprensa local.O vice-ministro do Interior, Johari Baharum, afirmou que a proposta de endurecer as penas é uma resposta ao alto número de mulheres estrangeiras que entram na Malásia para trabalhar como prostitutas.Segundo dados oficiais, mais de 15 mil estrangeiras, a maior parte vinda da Indonésia, China, Filipinas e Tailândia, foram detidas nos últimos 24 meses na Malásia por exercer a prostituição.Na Malásia, país de maioria muçulmana, a prostituição é ilegal. Mas milhares de mulheres exercem a profissão, de forma semi-aberta, em diversos locais disfarçados sob variados rótulos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.