Malásia estuda respostas a queda de avião na Ucrânia

A Malásia está estudando quais ações podem ser tomadas segundo as leis internacionais no contexto da queda do Boeing 777 da Malaysia Airlines no leste da Ucrânia, afirmou o primeiro-ministro Najib Razak.

AE, Agência Estado

23 de julho de 2014 | 01h26

"Eu instrui o procurador-geral a estudar esse assunto para garantir que qualquer ação que seja tomada pela Malásia esteja em linha com as leis internacionais", afirmou Najib ao Parlamento, em reunião especial para discutir a queda do voo MH17, com 298 pessoas a bordo.

Especialistas em direito estão divididos se a queda do voo constitui um crime de guerra. Advogados dos 11 países com cidadãos mortos na queda da aeronave também teriam que avaliar onde os supostos criminosos seriam trazidos à justiça. Suspeita-se que o avião tenha sido atingido por um míssil terra-ar quando sobrevoava a região de Donetsk.

A Ucrânia e os EUA acusam os rebeldes apoiados por Moscou de dispararem o míssil, enquanto a Rússia e os separatistas negam a responsabilidade.

Apesar de um número crescente de evidências, Najib continua a adotar uma posição cautelosa. Ele reiterou nesta quarta-feira que a Malásia não irá indicar culpados até que sejam apresentadas evidências concretas.

Entre as questões em aberto, o primeiro-ministro malaio citou que ainda não se sabe se o avião foi atingido por um míssil guiado, as identidades dos criminosos, os motivos, e quem forneceu o armamento. Najib também ressaltou que a Malásia quer saber se o ataque foi planejado ou um acidente. "Tudo isso requer clara e comprovada evidência", afirmou. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Ucrâniamalásiaavião

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.