Joshua Paul/AP
Joshua Paul/AP

Malásia faz acordo com empresa para retomar busca de avião desaparecido

A operação só terá um custo econômico para o governo malaio se for concluída com sucesso

EFE

06 Janeiro 2018 | 12h02

BANGCOC - O governo da Malásia fez um acordo com a empresa americana Ocean Infinity para retomar as buscas no oceano Índico do avião da Malaysia Airlines desaparecido em março de 2014 com 239 pessoas a bordo, informaram fontes oficiais neste sábado, 06.

O ministro de Transportes da Malásia, Liow Tiong Lai, confirmou que, com base no que foi pactuado, a operação só terá um custo econômico para o governo se for concluída com sucesso.

A assinatura do contrato será formalizada na próxima semana, adiantou o representante do governo em declarações aos veículos de imprensa.

+++ Premiê da Malásia afirma que voo MH 370 caiu no Oceano Índico

Previamente, a agência "Bernama" havia publicado que os representantes governamentais avaliam pagar uma recompensa de US$ 20 milhões a US$ 70 milhões caso o avião seja localizado.

Mark Antelme, porta-voz da Ocean infinity, apontou na quarta-feira à Agência Efe que esperam "a retomada das buscas do MH370 nos próximos dias".

O barco Seabed Construtor, da companhia americana, partiu da África do Sul na última terça-feira com rumo à Austrália, onde deve chegar no início de fevereiro, "para economizar tempo diante da iminente assinatura do contrato", informou Antelme por e-mail.

O avião malaio desapareceu 40 minutos após decolar de Kuala Lumpur rumo a Pequim, e depois que alguém desligou os sistemas de comunicação e desviou a rota da aeronave de maneira intencional, segundo a investigação oficial.

+++ Malaysia Airlines oferece condolências a famílias de passageiros do MH370

Em janeiro deste ano, as autoridades da Malásia, da Austrália e da China deram como encerradas as buscas no leito marítimo após completarem sem sucesso o rastreamento, durante meses, de cerca de 120 mil quilômetros quadrados do oceano Índico determinados pelos especialistas, em uma operação que custou US$ 135 milhões.

Meses depois, investigadores australianos da agência governamental CSIRO apontaram com maior precisão o local onde pode ter caído a aeronave, uma área de até 25 mil quilômetros quadrados.

A Ocean Infinity afirma contar uma frota comercial com a tecnologia mais avançada do mundo para explorar o fundo do mar e realizar um mapeamento preciso até 6 mil metros de profundidade, com até seis veículos autônomos. /EFE

Mais conteúdo sobre:
acidente aéreo Malásia [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.