Malásia prende três supostos membros de organização extremista

Yemaa Islamiya é considerado o braço da Al Qaeda no Sudeste Asiático

Efe

12 de agosto de 2010 | 00h50

KUALA LUMPUR - Três pessoas foram presas na Malásia por supostos vínculos com o clérigo radical indonésio Abu Bakar Bashir, considerado o líder espiritual da organização extremistas Yemaa Islamiya, informou nesta quinta-feira, 12, a imprensa local.

Os suspeitos - dois malaios e um indonésio - foram presos em Kuala Lumpur e no estado de Pahang e a eles foram aplicados a Lei de Segurança Interna, que permite a detenção indefinida sem julgar as responsabilidades, segundo o diário The Star.

Eles tem relações com Bashir, preso na última segunda-feira, 9, na ilha indonésia de Java por ordenar, planejar, supervisionar e financiar atividades terroristas na região de Aceh, um bastião do fundamentalismo islâmico.

A Malásia nunca sofreu um atentado em seu território, porém, vários de seus cidadãos estão envolvidos em tramas da Yemaa Islamiya, o braço da Al Qaeda no Sudeste Asiático.

Noordin Mohamed Top, foi o terrorista mais procurado na região, até sua morte no ano passado durante uma incursão na Indonésia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.