Malásia quer participar da força de paz, mas Israel rejeita

O governo da Malásia aguarda uma resposta da ONU para a sua oferta de enviar tropas de pacificação ao Líbano, apesar da rejeição inicial de Israel, informou o ministro de Relações Exteriores, Syed Hamid Albar. "Esperamos uma pronta indicação das Nações Unidas", declarou o ministro malaio. Ele considerou positiva a inclusão de tropasindonésias na força de pacificação da ONU. A Malásia mantém sua oferta de contribuir com cerca de mil homens para o contingente da ONU. O governo israelense, porém, se mostroucontrário à participação de tropas de nações que não reconhecem o Estado de Israel. Indonésia e Malásia, países de população majoritariamente muçulmana, não mantêm relações diplomáticas com Israel, que consideram culpado pela instabilidade no Oriente Médio. Syed Hamid Albar opinou que a força de interposição da ONU deve ter representantes de países-membros da Organização da ConferênciaIslâmica (OCI), cuja Presidência rotativa é ocupada anualmente pela Malásia. As Nações Unidas planejam que a força de interposição sejaintegrada por 15 mil soldados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.