Shin In-seop/AP Photo
Shin In-seop/AP Photo

Malásia teme jogar bola em Pyongyang 

Federação de futebol do país afirma que jogadores correm risco de serem envenenados

O Estado de S.Paulo

12 Maio 2017 | 05h00

O presidente da Federação de Futebol da Malásia, Tunku Ismail Sultan Ibrahim, disse temer que os jogadores da seleção malaia sejam deliberadamente envenenados pela Coreia do Norte caso a partida das eliminatórias da Copa Asiática de 2019 seja disputada em Pyongyang.

Os países encontram-se em uma polêmica diplomática após a morte, em fevereiro, no aeroporto de Kuala Lumpur, de Kim Jong-nam, meio-irmão do líder norte-coreano, Kim Jong-un. 

Tunku Ismail solicitou que o jogo seja disputado em um campo neutro. A partida, inicialmente programada para 28 de março na capital norte-coreana, foi adiada pela Federação Asiática de Futebol para 8 de junho depois que os jogadores foram impedidos de viajar a Pyongyang em meio à crescente tensão diplomática.

“Sinceramente, gostaria que a partida ocorresse em campo neutro pelo bem dos jogadores”, escreveu Tunku na página do Facebook da federação. “Também estou preocupado com o alojamento e a comida. De acordo com uma informação que recebi, devemos levar nossa comida para evitar qualquer risco de sabotagem”, completou.

“Os árbitros também poderiam ser afetados pela ameaça. Em caso de decisões contra os norte-coreanos, há o risco de pressão”, escreveu.

Se não aceitar disputar a partida, a Malásia será considerada a perdedora do confronto pelas eliminatórias da Copa Asiática de 2019, torneio que será disputado nos Emirados Árabes Unidos.

A Confederação Asiática de Futebol disse que estava considerando o apelo da Malásia a respeito da realização da partida na Coreia do Norte. Os dois países estão no Grupo B, com Líbano e Hong Kong. Os dois primeiros colocados se classificam para o torneio. / AFP 

 

Mais conteúdo sobre:
Malásia Coreia do Norte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.