Elaine Glusac/NY Times
Elaine Glusac/NY Times

Maldivas oferecerão vacinas contra a covid-19 a turistas

Arquipélago lança programa para oferecer vacina após imunizar sua população; turistas poderão escolher entre Astrazeneca/Oxford, Sinopharm e Pfizer

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de abril de 2021 | 18h28

MALÉ - As Ilhas Maldivas vão oferecer aos turistas a possibilidade de vaciná-los contra o novo coronavírus, como uma medida de estímulo à indústria turística do arquipélago, da qual sua economia é fortemente depende.

"O turismo de vacinas é uma visão do presidente do país, Ibrahim Mohamed Solih. Planejamos executá-lo de forma semelhante ao turismo médico", disse o ministro do Turismo das Maldivas, Abdulla Mausoom, à agência EFE nesta segunda-feira.

O "programa 3V: visita, vacinação, férias (vacation, em inglês)", começará no país quando todos os habitantes das Maldivas, com uma população total de 540 mil pessoas, estiverem totalmente vacinados, acrescentou ele.

O ministro explicou ainda que os turistas poderão escolher a vacina que preferirem para serem inoculados entre as disponíveis no país.

"O entorno dos complexos hoteleiros é perfeitamente seguro para a vacinação. Os turistas podem ficar por cinco a oito semanas, receber a segunda dose ou sair e voltar para a segunda dose", disse Maussom.

As Maldivas administram doses das vacinas de Astrazeneca/Oxford, Sinopharm e Pfizer. Até esta segunda-feira, 40.230 pessoas já tinham recebido duas doses, e cerca de 280 mil, a primeira.

O país já registrou cerca de 26 mil contágios e 70 mortes por covid-19 desde o início da pandemia.

O PCR negativo não é mais exigido para entrar no país, apenas um comprovante de reserva de hotel. Em entrevista ao canal CNBC, Mausoom disse que a Agência de Proteção à Saúde do país está preparada para retirar em breve as restrições e liberar a entrada de turistas já vacinados.

As Maldivas, um arquipélago do sul da Ásia conhecido por suas praias tropicais e águas cristalinas, depende muito de sua indústria de turismo. Cerca de 67% de seu Produto Interno Bruto (PIB) é derivado direta e indiretamente do setor./COM EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.