Mali busca três suspeitos de atentado

As autoridades do Mali buscam neste sábado, 21, pelo menos três suspeitos de envolvimento no ataque ao hotel Radisson Blu, em Bamaco, que deixou ao menos 19 mortos. O presidente do país, Ibrahim Boubacar Keita, visitaria ontem o local do atentado e as vítimas.

BAMAKO, O Estado de S.Paulo

21 de novembro de 2015 | 14h52

As investigações, conduzidas pelas autoridades malinesas apoiadas por uma rede internacional de soldados da Missão da ONU no Mali e da França, entre outros, não descartam a existência de cúmplices agindo no local, sejam eles clientes ou funcionários do hotel. Ainda de acordo com fontes de segurança, câmaras de vigilância instaladas dentro do hotel ajudarão a investigar o ataque.

Neste sábado, um grupo de homens armados se aproximou do hotel Radisson Blu, considerado o mais seguro de Bamako, em um veículo com placa diplomática, dispararam contra os guardas e tomaram 170 pessoas como reféns. Entre as nacionalidades já confirmadas dos mortos estão um belga, um americano e russos.

Após o ataque, o governo do Mali decretou estado de emergência durante dez dias e três dias de luto nacional. Os grupos jihadistas Al-Mourabitoun e Al-Qaeda do Magreb Islâmico (AQMI) reivindicaram o atentado terrorista.

Keita visitaria neste sábado o hotel Radisson Blu. Segundo fontes do governo, o presidente centraria sua agenda em estudar as medidas necessárias contra grupos jihadistas que atuam no norte do Mali. Keita deve também se reunir com responsáveis de segurança malineses e com diplomatas ocidentais, assim como visitar os feridos que ainda estão internados no hospital Gabriel Touré.

Pedido. Em Moscou, o presidente russo, Vladimir Putin, disse que é necessária a cooperação global para enfrentar o terrorismo, após o ataque de militantes islâmicos contra estrangeiros em um hotel de luxo no Mali, que matou 19 pessoas.

Entre os mortos estão seis funcionários da companhia aérea regional russa Volga-Dnepr, informou o Ministério das Relações Exteriores da Rússia. / REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.