Maliki pede apuração manual de votos nas eleições iraquianas

A medida pretende "proteger a democracia" e dar transparência à apuração dos

EFE

21 de março de 2010 | 07h03

O primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, pediu neste domingo uma apuração manual dos votos emitidos nas eleições parlamentares do dia 7 de março. Segundo disse Maliki em comunicado divulgado, a medida pretende "proteger a democracia" e dar transparência à apuração dos votos.

 

Acrescentou que a medida é "para conservar a estabilidade política e evitar a desestabilização da segurança e o retorno a violência, para cujo controle se necessitou muito esforço, sangue e Sofrimento".

 

Após insistir em que as eleições do dia 7 de março representaram um grande passo no caminho para reforçar a experiência democrática no Iraque, al-Maliki justificou seu pedido em que "vários grupos políticos exigiram recontar os votos manualmente".

 

"Como responsável executivo direto da política do país e como comandante-em-chefe das Forças Armadas insto à Comissão Eleitoral a responder de maneira imediata às exigências destes grupos políticos", assegurou o atual primeiro-ministro no comunicado.

 

Segundo os últimos resultados anunciados no sábado pela Comissão Eleitoral, após a apuração de 92% dos votos, a coalizão Al Iraqiya (O Iraquiano), presidida pelo ex-primeiro-ministro Ayad Alwai, passa a coalizão Estado de Direito de al-Maliki por 7.928 votos.

 

Segundo estes resultados, Al Iraqiya obteve 2.543.632 votos frente aos 2.535.704 do Estado de Direito. A Comissão Eleitoral não informou quantas cadeiras correspondem a estes votos.

 

De acordo com estes dados, o grupo de al-Maliki passa em sete províncias e Allawi em cinco, enquanto a Aliança Nacional Iraquiana, a principal coalizão xiita, se impõe em três províncias e a Aliança Curda em outras três, as províncias do Curdistão iraquiano.

 

Na quinta-feira passada, a Comissão Eleitoral emitiu um comunicado em resposta a várias queixas sobre a apuração de votos no qual assegurava que não se sustentavam sobre nenhuma base.

 

Além disso, este organismo mostrou sua disposição a estudar qualquer prova quase lhe apresentasse a este respeito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.