Maliki refuta pedido de Ban para interromper execuções

O primeiro-ministro do Iraque, Nuri al-Maliki, refutou publicamente o pedido do secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) para que o país interrompa as execuções. Ban chegou à capital iraquiana nesta segunda-feira.

Agência Estado

13 de janeiro de 2014 | 15h34

Apesar dos vários pedidos de moratória da execução de condenados, em razão de grandes problemas no sistema judiciário do país, o Iraque executou pelo menos 169 pessoas no ano passado, o número maior desde a invasão norte-americana em 2003, o que coloca o país na terceira colocação deste ranking, atrás apenas de China e Irã.

"Eu pedi ao primeiro-ministro e ao governo iraquiano que imponha uma moratória à pena de morte", disse Ban em resposta a uma pergunta durante uma coletiva de imprensa, ao lado de Malik, em Bagdá.

Mas Maliki respondeu que os iraquianos não aceitariam que assassinos tenham permissão para continuar vivos e que as execuções são permitidas pela Constituição e pelo Islã. "Nós respeitamos as decisões da ONU e os direitos humanos, mas não acreditamos que os direitos de alguém que mata pessoas devem ser respeitados", declarou Maliki.

O Iraque tem sido alvo de críticas de diplomatas, analistas e grupos de direitos humanos que dizem que em razão dos problemas no sistema judiciário, os que são executados não são necessariamente culpados dos crimes pelos quais foram sentenciados.

A Alta Comissária para Direitos Humanos da ONU, Navi Pillay, disse no ano passado que o sistema judiciário iraquiano "não está funcionando adequadamente".

O aumento das execuções em 2013 acontece na medida em que o Iraque enfrenta seu mais longo período de violência desde o ponto mais alto da violência sectária entre 2006 e 2007.

Com a aproximação das eleições em abril e uma série de preocupações enfrentadas pelos eleitores, que vão de serviços ruins a alto desemprego, os políticos devem tentar desviar o foco, enquanto ministros, numa tentativa de mostrar firmeza, podem até mesmo intensificar o ritmo de execuções. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueBan ki-Moonvisitaexecuções

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.