Malote diplomático chega a Rússia com esporos de antraz

Um malote diplomático enviado de Washington para o consulado americano na cidade russa de Yekaterinburg deu teste positivo para esporos de antraz, informaram hoje fontes diplomáticas. O consulado solicitou ao Centro de Controle Médico e Epidemiológico da Rússia para que realizasse testes em seis malotes recebidos em 25 de outubro, depois que o Departamento de Estado dos EUA notificou o pessoal de consulados sobre o caso de um funcionário de seu correio na Virgínia que contraiu antraz. A primeira série de testes não encontrou traços de antraz, mas um segundo exame detectou esporos em um dos malotes. Um dos funcionários do consulado já está tomando antibiótico para combater a doença, embora ele não tenha demonstrado nenhum sintoma da enfermidade. Segundo a porta-voz do consulado, Robin Holzhauer, a área onde o malote estava depositado fora limpa em 26 de outubro, mas uma nova limpeza será realizada por medida de precaução. A fonte do antraz não está clara e o consulado não informou se alguma pessoa de fora do prédio diplomático chegou a entrar em contato com o malote infectado. O incidente ocorreu em uma cidade que sediava um laboratório da era soviética que produzia antraz e onde ocorreu um acidente em 1979 que liberou esporos, matando pelo menos 68 pessoas. A Rússia nega que possa ser a fonte dos esporos de antraz que circulam atualmente nos Estados Unidos. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.