Mandamentos de Saddam ensinam iraquianos a viver

Muammar Kadafi, da Líbia, tem seu Livro Verde. Mao Tse-tung, da China, tem seu "Pequeno Livro Vermelho". Agora, o presidente iraquiano, Saddam Hussein, tem um livro de bolso, encadernado de branco, com suas palavras de sabedoria, tais como: "Não sejam atraídos pelos caminhos fáceis, porque os caminhos que fazem seus pés sangrarem são a única maneira de ir para a frente na vida." No início desse ano, o Ministério da Informação do Iraque lançou Saddam Hussein: Grandes Lições, Mandamentos para Combatentes, Pacientes e Guerreiros Sagrados. A maioria dos iraquianos já estava familiarizada com o conteúdo do panfleto, 57 citações tiradas de discursos feitos por Saddam, incluindo um do ano 2000, que marcou o 12º aniversário do fim da guerra entre o Irã e o Iraque. Desde o ano 2000, os trechos dos 57 mandamentos têm sido pintados nas paredes das escolas, esculpidos em estátuas, pintados em grandes cartazes, emoldurados e pendurados nas paredes dos escritórios do governo, impressos nos jornais iraquianos - todos controlados pelo governo, pelo partido de Saddam, o Baath, ou por seu filho, Odai. O chamamento muçulmano para as orações é transmitido pela TV estatal no Iraque, e depois de cada um - cinco vezes por dia - alguns dos mandamentos são lidos. Os mandamentos de Saddam abrangem todos os aspectos da vida. Ele dá conselhos para não se tomar decisões quando se está zangado ou humilhar um inimigo depois de tê-lo derrotado. Exorta as pessoas a fazerem o bem, a depender do cérebro como da carne, fazer as coisas de forma justa, planejar bem, manter os segredos dos outros e aprender com os erros dos demais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.