Mandela celebra aniversário lançando grupo de líderes

Grupo formado por figuras como Jimmy Carter e Desmond Tutu tentará solucionar problemas 'insolúveis'

Rebecca Harrison, REUTERS

18 Julho 2007 | 13h04

O ex-presidente sul-africano Nelson Mandela celebrou na quarta-feira seu aniversário de 89 anos lançando um grupo formado por figuras de destaque internacional, como os vencedores do Prêmio Nobel da Paz Desmond Tutu e Jimmy Carter, com a missão de atacar os principais problemas do mundo.Enquanto as homenagens pelo aniversário chegavam, Mandela disse que o grupo de líderes "anciãos" usaria quase mil anos de experiência conjunta para tentar solucionar problemas aparentemente insolúveis como o aquecimento global, a Aids e a pobreza.As figuras de destaque, entre as quais a ex-presidente da Irlanda Mary Robinson e Kofi Annan, ex-secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), usariam sua independência política para ajudar na solução de alguns dos conflitos mais intrincados do mundo."Utilizando sua experiência coletiva, sua coragem moral e sua capacidade de ficar acima dos interesses nacionais, das raças e dos credos religiosos, esses líderes podem transformar nosso planeta em lugar mais pacífico e mais equânime", afirmou Mandela.Em um almoço, convidados do ex-presidente, o cidadão mais querido da África do Sul e um símbolo da luta por justiça e por reconciliação, cantaram "Parabéns" para "Madiba" -- o nome de clã pelo qual Mandela também é conhecido."Deus deve amar muito a África do Sul para nos dar um presente assim valioso", disse Tutu, referindo-se ao ex-presidente sul-africano.O empresário britânico Richard Branson e o músico Peter Gabriel -- que cantou a capella sua música "Biko", um protesto contra o apartheid -- sugeriram, sete anos atrás, a idéia de lançar um grupo de líderes para discutir problemas mundiais.Os dois pediram a Mandela, que se retirou oficialmente da vida pública e que não desempenhará um papel ativo dentro da entidade, para lançar o grupo e selecionar os membros dele.Carter, ex-presidente dos EUA, disse que governos do mundo todo fracassaram repetidas vezes ao enfrentar as grandes questões porque têm de prestar conta a seus eleitores, possuem agendas políticas próprias e enfrentam também problemas internos."Seremos capazes de correr o risco de fracassar e não precisaremos exigir crédito por quaisquer sucessos", afirmou.O aniversário de Mandela também contou com a realização, na quarta-feira, na Cidade do Cabo, de uma partida de futebol na qual se enfrentaram estrelas africanas do esporte e uma seleção reunindo grandes jogadores da atualidade e do passado.(Reportagem adicional de Andrew Quinn)

Mais conteúdo sobre:
mundoNelson Mandela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.