Mandela responde a tratamento e respira sem dificuldade

O ex-presidente da África do Sul Nelson Mandela está respondendo ao tratamento de pneumonia e agora consegue respirar sem dificuldades, informou neste sábado o gabinete da presidência. Segundo Mac Maharaj, porta-voz do atual presidente sul-africano, Jacob Zuma, Mandela foi hospitalizado em 27 de março, a segunda vez neste ano, devido à recorrência de pneumonia.

Agência Estado

30 de março de 2013 | 13h25

"Os médicos informaram que devido à infecção nos pulmões o ex-presidente desenvolveu um derrame pleural que foi contido", afirmou Maharaj em comunicado. "Isso fez com que ele agora fosse capaz de respirar sem dificuldade. Mandela continua respondendo ao tratamento e está confortável."

O ex-presidente de 94 anos foi internado na madrugada de quinta-feira. Em dezembro do ano passado, ele ficou hospitalizado por 19 dias para remoção de cálculos biliares e tratamento de uma infecção pulmonar. Nelson Mandela sofre de problemas pulmonares há décadas, tendo sido diagnosticado com estágio inicial de tuberculose enquanto esteve na prisão. A frequência de suas internações aumentou nos últimos meses.

Depois de passar mais de um quarto de século atrás das grades por conta dos esforços para acabar com o apartheid, ele foi eleito o primeiro presidente negro da África do Sul em 1994 e serviu por um mandato.

Mandela tem evitado aparecer publicamente nos últimos anos devido à deterioração da sua saúde. Ele fez uma rara aparição na final da Copa do Mundo de 2010, realizada na África do Sul, circulando pelo campo em um carrinho de golfe com sua mulher, Graça Machel.

Sua ex-mulher, Winnie Mandela, disse a repórteres nesta sexta-feira do lado de fora da igreja que frequente em Soweto que o ex-presidente estava "indo bem".

O atual presidente sul-africano, Jacob Zuma, pediu no início da semana que a nação não entrasse em pânico sobre Mandela, mas reconhecesse a idade avançada e o frágil estado de saúde do herói anti-apartheid. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.