Vincent Yu/AP
Vincent Yu/AP

Mangkhut, o tufão mais forte do ano, espalha caos no sudeste da China

Esta foi uma das tempestades mais poderosas da história a castigar Hong Kong; vários danos por causa dos fortes ventos e inundações foram registrados

EFE

17 Setembro 2018 | 03h04

XANGAI - Após deixar dezenas de mortos nas Filipinas, o tufão Mangkhut espalhou o caos nas cidades de Macau e Hong Kong, com pelo menos 200 feridos, e em várias províncias do sudeste da China, onde duas pessoas morreram.

Segundo os últimos dados do Centro Meteorológico Nacional, o tufão mais grave do ano continua se movimentando para noroeste, afetando as províncias e regiões de Guangxi, Yunnan e Guizhou, mas com uma força cada vez menor.

As duas mortes aconteceram na província de Guandong, uma das mais afetadas, onde quase 2,5 milhões de pessoas foram retiradas de suas casas, segundo informou a televisão oficial "CCTV".

O tufão chegou às 17h (horário local, 6h em Brasília) de domingo na cidade de Jiangmen, em Guangdong, com ventos de até 162 km/h, segundo a estação meteorológica local.

+++ Cem pessoas ficam presas em mina após passagem do Mangkhut nas Filipinas

Horas antes, o Mangkhut tinha passado perto de Macau e Hong Kong, uma das cidades mais afetadas, com 213 pessoas feridas e muita destruição. Mais de 1.219 pessoas foram levada para 48 abrigos temporários.

Esta foi uma das tempestades mais poderosas da história a castigar Hong Kong e, embora não tenham sido contabilizadas, por enquanto, mortes, houve vários danos por causa dos fortes ventos e inundações.

Segundo noticia hoje o jornal "South China Morning Post", a cidade ficou durante dez horas com o alerta de advertência mais alto, enquanto "os edifícios mais altos balançavam, as janelas se quebravam e os andaimes se soltavam dos arranha-céus".

+++ Tufão Mangkhut mata ao menos 64 pessoas nas Filipinas antes de chegar à China

O transporte público foi suspenso, assim como os voos do Aeroporto Internacional de Hong Kong, que pouco a pouco está começando a retomar sua atividade.

Na vizinha Macau, que teve que fechar todos seus cassinos, 20 mil casas sofreram falta de energia elétrica, várias estradas foram alagadas e pelo menos 17 pessoas ficaram feridas.

Outras grandes cidades como Shenzhen e Zhuhai também sofreram danos, enquanto na província de Guanxi, 228 mil pessoas foram levadas para abrigos e 98 voos foram cancelados em Nanning, a capital da região. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.