Manhattan vira um imenso hospital

Manhattan se transformou hoje em um imenso hospital de campanha, enquanto milhões de trabalhadores, com o pânico estampado no rosto e em passos hesitantes, regressavam lentamente a suas casas.Só duas pontes, Queensborough e Washington, respectivamente ligadas ao distrito de Queens e ao estado de Nova Jersey, permaneciam abertas ao tráfego - o que, junto com a interrupção das linhas de metrô e a escassez de ônibus, provocaram uma enorme confusão para os que tiveram que abandonar seus escritórios como medida preventiva. No entanto, muitos entre as centenas de milhares de pedestres que circulavam entre o sul e o norte da cidade, afastando-se do foco da tragédia, atenderam solidários ao pedido para doarem sangue aos hospitais que prestam socorro a milhares de vítimas. Um verdadeiro exército de policiais, soldados, guardas civis e funcionários de segurança de grandes corporações se mobilizaram diante da emergência. O som estridente de ambulâncias e carros de polícia se espalhava por toda Manhattan, enquanto era aguardada a palavra das autoridades sobre o real número de mortos. Enquanto isso, no Central Park, repleto de trabalhadores que preferiram atravessar a cidade à sombra de suas árvores, equipes médicas continuavam recolhendo sangue dos doadores, e os veículos de transporte de plasma começavam a ocupar as avenidas que conduzem aos grandes hospitais, localizados na periferia da metrópole.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.