Manifestação no Iêmen pede fim de governo de 32 anos

Inspirados pela recente revolta na Tunísia, milhares de habitantes do Iêmen pediram hoje o fim da administração de 32 anos do presidente Ali Abdullah Saleh em uma manifestação que parece ser a primeira de larga escala a desafiar o homem forte do país. A manifestação não pode ocorrer nas ruas, mas foi confinada na Universidade de Sanaa, um exemplo das poucas liberdades existentes no país.

AE, Agência Estado

22 de janeiro de 2011 | 18h21

Cerca de 2.500 estudantes, ativistas e grupos de oposição se reuniram e gritaram slogans contra o presidente, comparando Saleh com o presidente deposto da Tunísia, Zine El Abidine Ben Ali, em função da insatisfação da população com a corrupção do governo e dos problemas econômicos.

Um dos organizadores do protesto, Fouad Dahaba, disse que o ato de hoje foi apenas o início e que eles não irão parar até que as demandas dos manifestantes forem atendidas.

Os milhões de habitantes do Iêmen são a população mais pobre do mundo árabe, o governo é amplamente visto como corrupto e é criticado por sua aliança com os Estados Unidos na luta contra Al-Qaeda. Além disso, existem poucas liberdades políticas e o país está ficando rapidamente sem água.

Hoje, a Argélia também registrou manifestações contra seu presidente, também inspiradas na revolta da Tunísia. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
IêmenTunísiaprotestospresidente

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.