Manifestantes abaixam as calças para Bush na Austrália

Protesto é contra presença militar americana no Iraque; comediante vestido de Bin Laden é preso

BBC Brasil, BBC

07 de setembro de 2007 | 09h18

Cerca de 40 manifestantes realizaram um protesto contra a política americana no Iraque abaixando as calças e mostrando o traseiro. O ato público foi em Sydney, na Austrália, onde se realiza, neste fim-de-semana, a reunião de cúpula do Fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec, em inglês), que deve reunir na cidade cerca de 20 chefes de Estado.  Bush confirma fama de gafes na Austrália Entre eles está o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, que já se encontra na cidade. Alguns manifestantes desenharam corações e símbolos de paz nas nádegas, enquanto outros optaram por adesivos criticando Bush. A imprensa australiana chamou o protesto de "Bundas para Bush". Mas enquanto esta manifestação provocou risadas em Sydney, uma outra burlou a segurança, preocupando as autoridades. Uma delegação falsa passou por dois postos de controle da polícia e conseguiu chegar a poucos metros do hotel onde o presidente americano está hospedado. Os veículos da suposta delegação levavam bandeiras do Canadá, e a polícia só percebeu que se tratava de uma brincadeira quando um comediante fantasiado de Osama Bin Laden saiu de um dos veículos. Ele trajava uma túnica e a barba que são marca registrada do dissidente saudita que lidera a rede extremista Al-Qaeda. Os ocupantes dos veículos, que integram o programa The Chaser''s War on Everything, exibido na televisão da Austrália, foram presos. Com 5 mil soldados e policiais, esta é a maior operação de segurança já montada na Austrália. As autoridades consideraram o trote dos comerciantes "perigoso". "Nós temos franco-atiradores poscionados pela cidade. Eles não estão lá para aparecer, estão lá para trabalhar", disse o comissário de polícia Andrew Scipione.  BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
Austráliaprotesto anti-Bushbunda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.