Manifestantes atacam consulado dos EUA no Rio

Com pedras e coquetéis molotov (explosivo feito com gasolina em garrafas), um grupo de aproximadamente 30 jovens, segundo testemunhas, protestou na tarde desta segunda-feira, no centro do Rio, contra a guerra no Iraque. Uma testemunha afirmou que duas mulheres orientavam o protesto.Os manifestantes quebraram vidros do Consulado Geral dos Estados Unidos, apedrejaram carros da Polícia Militar e lançaram os explosivos contra o prédio da representação diplomática. Um PM foi ferido na cabeça por uma pedrada. Agências bancárias e uma lanchonete da rede McDonald?s também foram alvo de ataques.A manifestação começou no consulado e depois que reforços da PM chegaram ao local o grupo fugiu pela rua México. Nesta rua, destruíram a pedradas os vidros de uma agência do Banco do Brasil. Um segurança do banco disparou tiros, também atingindo a fachada da agência. Algumas lojas chegaram a fechar as portas.Na avenida Rio Branco, uma das principais vias do centro, os jovens destruíram vidraças de uma agência do banco Itaú e, em seguida, do McDonald?s. Cinco manifestante foram detidos e dois coquetéis molotov apreendidos pela PM.Acampados na praça 4 de julho (data da independência dos EUA), localizada em frente ao consulado, militantes do MST e do Comitê Contra a Alca procuraram deixar claro que não participaram do protesto. ?Estamos aqui em uma vigília pacífica e queremos explicar à população o que se passa no Oriente Médio?, afirmou o coordenador do MST no Rio, Valquimar Reis. ?Assim como hoje é o Iraque, amanhã pode ser a Amazônia?. Pelo menos 20 pessoas devem se revezar na vigília, dormindo em barracas armadas na praça. Durante o protesto, panfletos em nome de uma organização denominada Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MPER) foram distribuídos. O título do panfleto era ?Viva o heróico povo iraquiano. Morte às tropas assassinas norte-americanas?.Um site (www.estudantesdopovo.hpg.ig.com.br) informa que o MPER foi criado durante encontro realizado entre os dias 29 de abril e 1º de maio de 2001. ?O oportunismo que tem predominado no movimento (estudantil) tem por objetivo desviar os estudantes do caminho revolucionário?, diz o site, que mostra fotos de outros protestos antiamericanos realizados pelo grupo. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.