Manifestantes atacam trabalhadores humanitários em Mianmar

Multidões de budistas ocuparam as ruas no Oeste do Estado de Rakhine

O Estado de S. Paulo,

27 de março de 2014 | 14h30

(Atualizada às 16h35) YANGON, MIANMAR - Manifestantes no Estado de Rakhine, em Mianmar, contrários a um censo atacaram escritórios e casas usadas por grupos de ajuda internacional depois de relatos de que um integrante europeu de um dos grupos removeu uma bandeira budistausada como símbolo para boicotar a operação, de acordo com testemunhas.

A violência começou na quarta-feira, no fim do dia, e se estendeu até esta quinta de manhã, no horário local. Testemunhas disseram que seguranças dispararam tiros de alerta em Sittwe, capital do Estado, para dispersar os manifestantes, que exigiam que os trabalhadores fossem entregues a eles.

"Uma integrante europeia da equipe tirou a bandeira religiosa colocada próxima de seu escritório em protesto ao censo do governo", disse à agência Reuters Aung Mra Kyaw, funcionário do Partido Nacional Rakhine. "Ela envolveu-a sob suas nádegas e jogou fora quando algumas testemunhas a viram ontem à noite."

Não ficou claro qual para qual agência de ajuda ela trabalhava. Os escritórios de algumas agências da ONU também foram atacadas, disse Aung Mra Kyaw.

Um cidadão de Mianmar que trabalha para um grupo de ajuda, disse todos os funcionários de organizações não-governamentais internacionais e agências da ONU se preparavam para evacuar para a capital comercial, Yangun. / AP e REUTERS

.

Tudo o que sabemos sobre:
Mianmarprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.