AFP PHOTO / Josep LAGO
AFP PHOTO / Josep LAGO

Manifestantes bloqueiam estradas na Catalunha em protesto à prisão de Puigdemont

Bloqueios foram registrados nos dois principais acessos à capital catalã pelo norte e pelo sul, e na rodovia A7, perto da fronteira com a França

O Estado de S.Paulo

27 Março 2018 | 14h20

BARCELONA - Vários grupos de manifestantes independentistas bloquearam diversos trechos de estradas na Catalunha nesta terça-feira, 27, para protestar contra a prisão na Alemanha do ex-líder da região Carles Puigdemont, assim como a de outros líderes separatistas na Espanha.

+ Juiz alemão mantém ex-presidente da Catalunha na prisão

+ Milhares de manifestantes protestam em Barcelona contra a detenção de Puigdemont

De acordo com o serviço regional de tráfego, bloqueios foram registrados nos dois principais acessos à capital catalã pelo norte e pelo sul, assim como na rodovia A7, perto da fronteira com a França, e na estrada N340, que liga a Catalunha à parte sul de Valência.

+ Em mensagens a deputado, Puigdemont reconhece que processo de independência ‘terminou’

+ ‘Time’ lista ‘fugitivos mais procurados’ em 2018 e Puigdemont ocupa primeiro lugar

Os protestos foram convocados pelos Comitês de Defesa da República, grupos de cidadãos que anunciaram na segunda-feira um ciclo permanente de protestos. "Com as últimas prisões e a detenção do presidente Carles Puigdemont se torna claro que superamos um ponto de não retorno", afirma um comunicado.

Protestos no domingo terminaram em confrontos em Barcelona, com mais de 100 feridos nos enfrentamentos entre manifestantes e policiais. O Comitê de Direitos Humanos da ONU registrou uma demanda de Puigdemont na qual ele denuncia a violação de seus direitos por parte da Espanha.

A porta-voz do comitê, Julia Gronnevet, confirmou o "registro da comunicação", mas não divulgou detalhes porque o caso é "confidencial". "A próxima etapa do processo diz que o Estado parte (Espanha) tem seis meses para responder", disse.

Ideais

Carles Puigdemont não desanimará e continuará defendendo seus ideais, afirmou um de seus advogados, Jaume Alonso-Cuevillas, depois de visitar seu cliente na prisão de Neumünster. "Puigdemont expressou uma grande confiança na Justiça europeia e na alemã", afirmou ele.

A Espanha quer que o líder separatista volte para responder pelo delito de rebelião em função da fracassada proclamação de independência da Catalunha, em outubro. "O estado dele é excelente", ressaltou Alonso-Cuevillas, que destacou "sua força, determinação e coragem".

"Puigdemont faz um apelo à unidade de toda a soberania e insiste que não desanimará e continuará defendendo seus ideais, apesar de todas as adversidades que está vivendo neste momento", concluiu. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.