Manifestantes criticam projeto de Chávez para educação

Cerca de mil manifestantes se concentraram hoje em frente à Assembleia Nacional em Caracas para condenar um projeto de lei que tem como objetivo doutrinar crianças com ideais socialistas nas escolas do país. Os manifestantes gritaram slogans como "Não se metam com meus filhos!" e disseram que o presidente Hugo Chávez pretende copiar o modelo de educação cubano por meio de uma nova lei de educação. Legisladores governistas negam que o projeto de lei abrirá o caminho para uma educação de cunho socialista.

AE-AP, Agencia Estado

11 de agosto de 2009 | 19h28

"Este projeto de lei foi desenhado para passar ideologia a nossos filhos, não para educá-los, e não vamos aceitar", disse Hernan Prieto, aposentado da empresa estatal Petróleos de Venezuela S.A (PDVSA). "Também tira a autonomia das universidades para que Chávez possa meter a mão ali", acrescentou. O ministro da Educação, Héctor Navarro, declarou que "a autonomia universitária não será afetada pela nova Lei de Educação".

"As universidade autônomas seguirão ditando suas regras e suas normas", disse Navarro à agência estatal de notícias ABN. Os manifestantes entregaram um documento pedindo que sejam reconsiderados os artigos mais polêmicos do projeto e que a Assembleia dê direito de voz às organizações não governamentais que se opõem ao projeto. Funcionários do governo argumentam que o novo projeto de lei é necessário para eliminar barreiras entra a educação privada e a pública, enquanto enfoca a educação no que o projeto se refere como "a doutrina bolivariana".

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaHugo Chávezeducação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.