Kin Cheung/AP
Kin Cheung/AP

Manifestantes de Hong Kong protestam contra comerciantes chineses

Protestos se concentraram nas atividades dos comerciantes procedentes do outro lado da fronteira com a China, que compram produtos sem imposto sobre circulação de mercadorias de Hong Kong

AFP, O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2019 | 03h48

HONG KONG - Manifestantes enfrentaram a polícia nesse sábado, 13,em Hong Kong, no âmbito das mobilizações em massa contra Pequim. Desta vez, os protestos se concentraram nas atividades dos comerciantes procedentes do outro lado da fronteira com a China.

A polícia usou gás lacrimogêneo e cassetetes contra manifestantes com o rosto coberto, em Sheung Shui, uma localidade próxima à fronteira com a China, depois que milhares de pessoas foram às ruas contra os chamados "comerciantes paralelos". Sheung Shui tem várias lojas muito populares entre os comerciantes procedentes do outro lado da fronteira. Eles compram produtos em Hong Kong - onde não há imposto sobre circulação de mercadorias - e depois as revendem na China. Essa atividade é fonte de tensões com os moradores.

"A zona se tornou um lugar a serviço dos comerciantes paralelos, e não dos residentes locais", disse à AFP um dos manifestantes, Siu Hok-yan, de 74 anos. A maioria das lojas de Sheung Shui foi fechada antes do protesto. Segundo imagens das emissoras de televisão locais, os manifestantes obrigaram o fechamento das que ainda permaneciam abertas.

A ex-colônia britânica está há semanas mergulhada em sua pior crise da história recente, com multidões nas ruas. Alguns dos protestos terminaram em violentos confrontos entre policiais e grupos de manifestantes mais radical.

Tudo o que sabemos sobre:
China [Ásia]protestoHong Kong

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.