Manifestantes e polícia entram em confronto em Ciudad del Este

Cerca de 900 pessoas protestavam contra lockdown na cidade, que faz fronteira com o Brasil

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2020 | 22h37
Atualizado 29 de julho de 2020 | 23h30

CIUDAD DEL ESTE - Manifestantes entraram em confronto nesta quarta-feira, 29, com a polícia e militares em Ciudad del Este, na fronteira do Brasil com o Paraguai. Segundo o jornal La Nación, a confusão começou quando pelo menos 900 pessoas protestavam contra a retomada da quarentena rígida na cidade, anunciada na tarde desta quarta pelo governo. Ciudad del Este, a segunda maior cidade do país, com 600 mil habitantes,  registra 40% dos 4, 8 mil casos de covid-19 do Paraguai e um terço das 46 mortes.

Não havia informações de prisões ou feridos, mas a imprensa local registrou imagens de manifestantes atirando rojões contra a polícia, que revidou com bombas de efeito moral.

O governo do Paraguai restabeleceu uma quarentena quase total em Ciudad del Este, a segunda maior cidade do país. "Vamos fazer esse fechamento por duas semanas, depois das quais teremos um melhor domínio do aspecto epidemiológico", anunciou o ministro da Saúde, Julio Mazzoleni, em entrevista coletiva.

Segundo o ministro, o sistema de saúde está bastante saturado, ainda que sua capacidade de terapia intensiva tenha sido triplicada. "Há uma propagação significativa em Ciudad del Este e é preciso tomar medidas para evitar o impacto que pode vir", disse em justificativa à decisão.

Após o anúncio, manifestantes fecharam a Rota 7, estrada que liga Ciudad del Este a Assunção. Com bombas, buzinas, bandeiras paraguaias e canções patrióticas, também tomaram o centro da cidade, como mostraram imagens da televisão.

Roberto González, governador do Alto Paraná, região cuja capital é Ciudad del Este, solicitou ao governo federal que reverta sua decisão e permita o funcionamento do comércio até as 17h, com sanções para quem não cumprir as medidas sanitárias./Com informações da AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.