Manifestantes e polícia entram em confronto em distrito financeiro em Hong Kong

Centenas de ativistas que defendem a democracia em Hong Kong entraram em confronto com a polícia neste domingo ao tentar entrar na área onde estão sedes governamentais, em um ato que desafia ordens de autoridades para que se mantenham longe do local depois de dois meses de protestos.

REUTERS

30 de novembro de 2014 | 14h51

Com uma multidão cantando "cerquem sedes do governo e "abram caminho", centenas de pessoas conseguiram chegar a prédios em Admiralty, perto do distrito comercial central e onde estão alguns dos mais caros imóveis do mundo.

A polícia usou spray de pimenta para dispersar os manifestantes, levando dois ao chão antes de imobilizá-los e levá-los detidos.

Diversos manifestantes levantavam os guarda-chuvas, que se tornaram símbolo do movimento em defesa da democracia, para se proteger do spray.

O confronto ocorreu depois que dois grupos de estudantes, que lideraram a campanha de desobediência civil de dois meses, fizeram um apelo aos seguidores para reforçar as ações no principal local do protesto, no bairro governamental de Admiralty.

Os manifestantes querem eleições livres para escolher o novo governante da cidade em 2017, e não uma votação feita entre candidatos pré-analisados que Pequim disse que permitirá.

(Reportagem de Clare Baldwin, James Pomfret e Diana Chan)

Mais conteúdo sobre:
CHINAHONGKONGCONFRONTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.