Manifestantes e polícia se enfrentam em Beirute

O funeral do chefe de inteligência do Líbano, morto na sexta-feira na explosão de um carro-bomba em Beirute, o general de brigada Wissam al-Hassan, terminou em um intenso confronto entre as forças de segurança e centenas de manifestantes - que ontem tentaram invadir a sede do governo do primeiro-ministro Najib Mikati após o enterro de Hassan. Os policiais impediram o protesto com gás lacrimogêneo e disparos de advertência.

BEIRUTE, O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2012 | 07h04

O assassinato de Hassan ameaça detonar tensões sectárias latentes no Líbano, já agravadas pelo conflito na Síria- cujo governo é acusado por sunitas e cristãos libaneses de estar por trás do atentado que matou o militar.

Após o enterro, milhares de libaneses se juntaram em um protesto pacífico na Praça dos Mártires, em Beirute, acusando seu premiê de manter laços próximos demais com o ditador sírio, Bashar Assad, e seus aliados do grupo xiita Hezbollah - que integra o governo de Mikati. Um grupo marchou em direção ao gabinete do premiê, cujo acesso estava interditado por arame farpado. Enquanto ultrapassavam as barreiras, os manifestantes atacavam a polícia com pedras e garrafas.

"O governo deve cair, mas queremos que isso ocorra pacificamente", disse o opositor Saad al-Hariri após o confronto. Durante a noite, manifestantes impediram acesso ao aeroporto de Beirute e a outras vias com pneus em chamas. Sunitas levantaram bloqueios no subúrbio, lembrando os tempos da guerra civil libanesa. Washington e Beirute fizeram ontem um acordo verbal para que os EUA ajudem a investigar a morte de Hassan. / NYT e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.