Amr Abdallah Dalsh/Reuters
Amr Abdallah Dalsh/Reuters

Manifestantes egípcios pedem fim de lei de emergência

Lei, em vigor há mais de 30 anos, permite que civis sejam julgados em tribunais de segurança

AE, Agência Estado

16 Setembro 2011 | 12h09

CAIRO - Centenas de pessoas realizam uma manifestação no Cairo contra a decisão da junta militar que governa o Egito de reforçar e expandir a odiada lei de emergência.

A lei, em vigor há mais de três décadas, permite que civis sejam julgados em tribunais de segurança e fiquem detidos indefinidamente. Seu cancelamento é uma importante exigência dos manifestantes que derrubaram o presidente Hosni Mubarak em fevereiro.

Nesta sexta-feira, os manifestantes portavam uma faixa na qual se lia "Chega de lei de emergência. Chega de julgamentos militares. Chega de governo militar".

A Anistia Internacional disse que a expansão da lei foi a maior retrocesso dos direitos humanos desde a renúncia de Mubarak, lembrando que agora a lei proíbe o bloqueio de ruas e a divulgação de rumores.

O protesto desta sexta-feira é muito menor do que o da semana passada, que levou ao ataque à embaixada de Israel.

 

As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Egito política protesto lei de emergência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.