Manifestantes egípcios pedem um novo governo e julgamento de Mubarak

Dezenas de milhares estão na Praça Tahrir, centro do movimento que derrubou ex-presidente

Efe

25 de fevereiro de 2011 | 10h23

Após orações, egípcios se concentram para manifestar contra governo. Foto: Peter Andrews/Reuters

 

 

CAIRO - Dezenas de milhares de pessoas se concentraram nesta sexta-feira, 25, na praça Tahrir do Cairo para exigir a formação de um novo governo e que o ex-presidente Hosni Mubarak seja levado aos tribunais.

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

documento Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

blog Radar Global: Os mil e um nomes de Kadafi

lista Análise: Hegemonia de Kadafi depende de Exército fraco

 

A manifestação, convocada pelos mesmos grupos que organizaram os protestos que acabaram com o regime de Mubarak, se desenvolvia no meio de medidas especiais de segurança, segundo pôde comprovar a Agência Efe.

 

O acesso à praça Tahrir, que foi epicentro da recente revolta popular egípcia, estava vigiada por soldados, apoiados por tanques.

 

Também havia um cordão de civis que, igual aos soldados, exigiam documentos de identidade de quem entrava na praça.

 

"Não precisamos deste governo, queremos um novo que nós possamos escolher", disse à Efe um dos jovens manifestantes, Omar el-Guendi.

 

O Egito vive um período de transição política que se abriu após a renúncia de Mubarak, mas a maioria dos ministros e o chefe do gabinete, Ahmed Shafiq, procedem do regime anterior.

 

A concentração coincidiu com as orações do meio-dia desta sexta-feira, a celebração religiosa semanal mais importante para o mundo muçulmano.

 

O sermão de hoje ficou a cargo do imã Mohammed Gibril, que dirigiu as orações de uma plataforma, ajudado por alto-falantes.

 

Os manifestantes levavam bandeiras e cartazes, e muitos deles com as caras pintadas com as cores da bandeira egípcia.

 

Em muitos cartazes se viam fotos de alguns dos 300 mortos durante os protestos políticos que acabaram com o regime de Mubarak.

 

Os lemas da concentração incluíam a formação de um novo governo e um julgamento contra o ex-presidente, que se retirou para a cidade egípcia de Sharm el-Sheikh, na Península do Sinai, após anunciar sua renúncia.

Tudo o que sabemos sobre:
Egitomanifestaçõesgoverno

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.