Manifestantes egípcios rejeitam ordem para deixar praça no Cairo

Algumas centenas de manifestantes desafiaram a ordem do Exército para sair da Praça Tahrir na segunda-feira, prometendo permanecer no local até que o conselho militar que governa o Egito atenda às demandas por um governo civil e pelo afastamento das autoridades corruptas.

REUTERS

11 de abril de 2011 | 13h00

Os manifestantes, jovens em sua maioria e alguns desempregados, bloqueiam as vias que levam à Praça Tahrir com arame farpado desde sexta-feira, quando centenas de milhares de pessoas protagonizaram um dos maiores protestos do país depois da deposição de Hosni Mubarak em 11 de fevereiro.

O Exército anunciara que a praça seria esvaziada, mas mantém distância desde a noite de sexta, quando não conseguiu retirar os manifestantes remanescentes.

Ativistas de direitos humanos acusaram os militares de uso excessivo da força. Fontes médicas afirmaram que 13 homens ficaram feridos a bala e dois morreram na violência do fim de semana.

Não havia indícios que sugerissem que o Exército se preparava para retomar o controle da praça na manhã de segunda.

(Por Marwa Awad)

Tudo o que sabemos sobre:
EGITOMANIFESTANTES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.