Manifestantes em Hong Kong armazenam suprimentos e se preparam para longo confronto

Dezenas de milhares de manifestantes pró-democracia ampliaram um bloqueio a ruas centrais de Hong Kong nesta terça-feira, armazenando suprimentos e erguendo barricadas improvisadas, já que a maioria acredita que a polícia fará nova investida para limpar as vias antes da celebração do Dia Nacional Chinês.

DONNY KWOK E YIMOU LEE, REUTERS

30 de setembro de 2014 | 07h25

A tropa de choque lançou gás de pimenta e gás lacrimogêneo contra os manifestantes no fim de semana, mas se retirou na segunda-feira para reduzir a tensão, já que o número de participantes do protesto aumentou.

Os manifestantes passaram a noite dormindo ou mantendo vigília, sem serem importunados, nas ruas normalmente bastante movimentadas de Hong Kong, importante centro financeiro mundial.

Os participantes do protesto, na maioria estudantes, exigem democracia plena e pedem a renúncia do líder da cidade, Leung Chun-ying, pelo fato de o governo chinês ter descartado há um mês planos de realização de eleições livres para o cargo máximo de Hong Kong, de chefe do Executivo, em 2017.

Mais conteúdo sobre:
CHINAHONGKONGPROTESTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.