Anthony Kwan/AFP
Anthony Kwan/AFP

Manifestantes em Hong Kong depredam estação de metrô e pisoteiam bandeira da China neste domingo

Em 16º fim de semana seguido de manifestação, população entra em confronto com a polícia e incendia barricadas

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2019 | 10h22

No 16º final de semana seguido de protestos em Hong Kong, manifestantes pisotearam uma bandeira da China e depredaram uma estação de metrô neste domingo, 22. A manifestação começou pacificamente, com a população concentrada em um shopping no distrito de Shatin.

Pouco após o início do protesto, alguns manifestantes pisotearam a bandeira da China e em seguida a jogaram em uma caçamba de lixo do lado de fora do shopping, que depois foi empurrada para dentro de um rio próximo.

 

Mais tarde, um grupo seguiu para a estação de metrô de Shatin, que é ligada ao shopping. Eles quebraram câmeras de vigilância do local e usaram martelos para quebrar os sensores que liberam a entrada de passageiros, além de pichar e quebrar as telas das máquinas automáticas que vendem passagens, usando guarda-chuvas para proteger suas identidades.

A polícia chegou ao local logo após a ação e fechou a estação, bloqueando a entrada com uma grade de metal. Em resposta, os manifestantes levantaram uma barricada na rua próxima ao shopping e a incendiaram. A respondeu com bombas de gás lacrimogêneo enquanto tentava avançar contra o grupo de manifestantes, que recuaram se abrigando atrás de um paredão formado por guarda-chuvas.

Os protestos pró-democracia em Hong Kong entram no quarto mês e começaram com a oposição a um projeto de lei de extradição. Na noite de sábado, a polícia usou gás lacrimogêneo e balas de borracha contra os manifestantes, que arremessavam coqueteis Molotov. / AP

Tudo o que sabemos sobre:
Hong KongChina [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.