Manifestantes em Hong Kong reduzem bloqueios; diálogo com governo local prossegue

Manifestantes em Hong Kong reduzem bloqueios; diálogo com governo local prossegue

Os protestos ajudaram a diluir quase 50 bilhões de dólares do valor de ações negociadas na Bolsa de Valores

DONNY KWOK E JOHN RUWITCH, REUTERS

07 de outubro de 2014 | 09h15

Manifestantes pró-democracia em Hong Kong aliviaram os bloqueios em pontos importantes da cidade nesta terça-feira, permitindo o abastecimento de alguns comércios, embora o trânsito tenha ficado amplamente desorganizado e as conversas com o governo indiquem ser pequena a possibilidade de uma rápida solução.

Centenas de manifestantes, na segunda semana de sua campanha por mais democracia, continuavam acampados no distrito governamental e comercial, os últimos remanescentes após dias de protestos que em seu auge atraíram dezenas de milhares de pessoas ao local.

Os manifestantes liderados por estudantes começaram a liberar o controle de repartições do governo e áreas de comércio na segunda-feira, à medida que conversações preliminares e informais, que devem conduzir a negociações formais, mostraram sinais modestos de progresso.

“Agora temos que esperar para ver essas reuniões”, disse Ronald Chan, um universitário recém-formado que era um dos diversos manifestantes no controle de uma barricada no distrito comercial, chamado Central, e que permitiu que vans de entrega e caminhões de lixo entrasse e saíssem.

Ele disse que diversos transeuntes os haviam agradecido por permitir as entregas e estimou que mais da metade deles os apoiavam.

“Sabemos que causamos algum inconveniente, mas temos nossos motivos”, disse ele. “Esperamos que outras pessoas entendam."

Os protestos “Occupy Central”, uma ideia concebida há mais de um ano, referindo-se ao distrito Central de Hong Kong, representam para o governo chinês, em Pequim, um de seus maiores desafios políticos desde que reprimiu manifestações por democracia na Praça da Paz Celestial, na capital chinesa, em 1989.

Pequim teme que reivindicações por democracia em Hong Kong possam se espalhar pela China continental, com o país já enfrentando inquietações separatistas no Tibete e em Xinjiang. A liderança do Partido Comunista considerou os protestos de Hong Kong como ilegais e deixou que o líder da cidade, nomeado por Pequim, Leung Chun-ying, encontrasse uma solução.

Na última semana, os manifestantes exigiram que Leung deixasse o cargo e que a China permitisse que o povo de Hong Kong votasse em um líder de sua escolha em 2017. O governo da China quer selecionar os candidatos para a eleição.

Após as discussões preparatórias com representantes estudantis na noite de segunda-feira (horário local), o subsecretário de governo para assuntos constitucionais, Lau Kong-wah, disse que ambos os lados haviam concordado nos princípios gerais de negociações formais.

“Eu acho que a reunião de hoje foi bem-sucedida e houve progresso”, disse ele a repórteres.

Líderes dos protestos prometeram continuar com as manifestações até que suas demandas sejam cumpridas.

Os protestos ajudaram a diluir quase 50 bilhões de dólares do valor de ações negociadas na Bolsa de Valores de Hong Kong. O Banco Mundial disse que as manifestações estavam prejudicando a economia local, embora o impacto na China seja limitado.

(Reportagem adicional de Farah Master, Clare Baldwin, Twinnie Siu, James Pomfret, Clare Jim, Joseph Campbell, Yimou Lee, Diana Chan, Kinling Lo e Venus Wu)

Tudo o que sabemos sobre:
CHINAHONGKONGPROTESTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.