Manifestantes em Hong Kong voltam a protestar após diálogo fracassar

Manifestantes em Hong Kong voltam a protestar após diálogo fracassar

Cerca de 200 pessoas marcharam até a casa do líder da região pedindo que ele renunciasse; ruas da cidade continuam ocupadas 

O Estado de S. Paulo

22 de outubro de 2014 | 09h45

HONG KONG - Cerca de 200 manifestantes em Hong Kong seguiram em passeata até a casa do líder do território, Leung Chun-ying, apoiado por Pequim, nesta quarta-feira, 22, para continuar os protestos por mais democracia, um dia após as conversas entre líderes estudantis e representantes municipais terem fracassado. Eles pedem a renúncia do líder.


Outros manifestantes continuaram ocupando as principais ruas da cidade, controlada pela China, onde acampam há quase um mês em protesto contra a decisão do governo chinês de indicar os candidatos à líder de Hong Kong. A população local poderá votar para seu próprio líder em 2017.

Uma grande diferença separa os manifestantes do governo. Manifestantes não estavam contentes sobre o que consideram uma substancial falta de concessões. Andy Lau, universitário de 19 anos, disse que agora era a hora de acelerar os protestos.

"Espero que o governo ouça. Se eles não ouvirem, sairemos novamente e novamente para lutar por nosso direito básico de nomeação", disse o manifestante Wing Chan, que participou da marcha.

O governo local considera ilegais as ações dos manifestantes e diz repetidamente que a demanda por nomeações abertas é impossível sob as leis da ex-colônia britânica. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaHong Kongmanifestantes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.