Manifestantes enfrentam tropas da ONU no Haiti pelo quarto dia seguido

Haitianos dizem que soldados da Minustah trouxeram epidemia de cólera ao país

estadão.com.br,

18 de novembro de 2010 | 18h33

Manifestante queima pneu em Porto Príncipe. Foto: Emílio Morenatti/AP  

PORTO PRÍNCIPE - Manifestantes voltaram a enfrentar tropas da ONU e da polícia no Haiti no quarto dia de confrontos no país. A uma semana da eleição presidencial, eles protestam contra a epidemia de cólera que já matou 1,1 mil haitianos. Três pessoas já morreram desde o início das manifestações, na segunda-feira.

Veja também:

mais imagens Olhar sobre o mundo: O drama da cólera no Haiti

Centenas de haitianos ergueram barricadas para bloquear ruas da capital, Porto Príncipe, e atiraram pedras contra veículos da ONU e de organizações não-governamentais. A polícia respondeu com bombas de gás lacrimogêneo.

Os manifestantes acusam tropas da Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (Minustah) de terem trazido a doença ao país. Para a ONU, os protestos têm motivação política.

Segundo o último balanço do ministério da saúde, 1.110 pessoas morreram e foram registradas 18.382 internações por conta da doença.

Leia ainda:

linkEpidemia deve atingir pico em até três semanas

linkCólera no Haiti é parte de pandemia antiga, dizem especialistas

linkBrasil propõe parceria com Cuba para ajudar o Haiti

Com AP e Efe

Tudo o que sabemos sobre:
Cólera no HaitiHaitiONUMinustah

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.