Manifestantes estão divididos sobre retirada em HK

Ativistas pró-democracia de Hong Kong concordaram neste domingo em remover algumas barreiras que bloqueiam estradas e calçadas antes do prazo final para que acabem com as manifestações. No entanto, os manifestantes parecem estar divididos, e outros se recusaram a ir embora, com apenas algumas horas para que o prazo termine.

Estadão Conteúdo

05 de outubro de 2014 | 15h10

Uma aliança de estudantes disse que tentou, mas que fracassou até agora para chegar a um acordo com as autoridades sobre um plano para iniciar as negociações sobre as demandas deles de reformas políticas mais amplas. O grupo prometeu continuar com as manifestantes até que detalhes das negociações possam ser trabalhados.

"Se o governo usar a força para dispersar os manifestantes, não haverá espaço para diálogo", afirmou Lester Shum, um dos líderes do grupo.

Mais cedo, estudantes, que ocupavam uma área no lado de fora da sede do governo da cidade, concordaram em remover algumas barricadas que estavam bloqueando a entrada do edifício, após o governo afirmar que fará o que for necessário para que 3 mil funcionários tenham pleno acesso ao seu escritórios na segunda-feira.

A retirada parcial parecia ser parte de uma estratégia dos manifestantes para se reagruparem em outra parte da cidade, depois de terem sido convidados a se transferirem para Admiralty, o distrito comercial e empresarial de Hong Kong, que está situado perto dos principais escritórios do governo e que têm servido como sede informal para o protestos. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Hong Kongprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.